Notícia

Pesquisadores desenvolvem técnica eficiente e agroecológica para produção de hortaliças

O experimento revelou que a alface cultivada com papel reciclado tinha o dobro do peso do cultivado sem capina e 30% mais que o cultivado sobre o plástico mas a eficiência no uso de água é ainda mais significativa

Divulgação, UFV.

Fonte

UFV | Universidade Federal de Viçosa

Data

sábado, 5 junho 2021 11:30

Áreas

Agricultura. Agronomia. Biotecnologia. Ciências Agrárias

A agricultura familiar é responsável por grande parte da produção de hortaliças no Brasil. Para chegar até a mesa do consumidor fresquinha e saudável, hortaliças como couve, alface, repolho e temperos gastam uma enormidade de água, demandam defensivos químicos que são caros e poluentes, e nem sempre dão lucros favoráveis a quem produz. Agora, pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (UFV) desenvolveram uma técnica que pode ajudar muito a reduzir danos ambientais e ainda aumentar a produtividade da olericultura.

A ideia é substituir o plástico tradicionalmente usado para cobertura dos canteiros por papel reciclado. As vantagens são muitas e os resultados vão além do controle agroecológico de plantas daninhas. A técnica também economiza a água que falta em muitas regiões produtoras de hortaliças. Com a mesma quantidade de água disponível, ainda é possível ampliar a área de produção.

O trabalho é desenvolvido por pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia da UFV e os experimentos foram conduzidos com alface, repolho e cebolinha, com ótimos resultados. Quando planta um canteiro de hortaliça, o produtor precisa capinar ou aplicar herbicidas para controlar as plantas daninhas que crescem junto com as hortaliças. A capina é trabalhosa e os agroquímicos são indesejáveis, sobretudo para produtos que são consumidos frescos e crus. Por isso, os produtores costumam forrar o canteiro com filmes de polietileno, um plástico branco ou preto com furos por onde as mudas vão crescer. O restante do canteiro, fica coberto pelo plástico, impedindo assim o desenvolvimento das plantas daninhas que competem pelos nutrientes, luz e água, prejudicando a produtividade. O uso do papel reciclado para a cobertura resolve muitos destes problemas com vantagens econômicas e ambientais.

O trabalho, que já gerou pelo menos três dissertações de mestrado, é coordenado pelo professor Dr. Francisco Freitas, do Departamento de Agronomia. Ele esclarece que, nesta modalidade de cultivo, as hortaliças são irrigadas por um sistema de gotejamento, ou seja, as mangueiras com orifícios ficam abaixo da cobertura plástica molhando o solo cultivado com quantidade controlada de água. O problema é que o plástico, sobretudo o preto, altera a temperatura do solo, estressando as plantas e comprometendo seu desenvolvimento. O solo mais quente também aumenta o consumo de água. Sem cobertura a situação é ainda pior porque o aquecimento do solo, exposto ao sol e ao vento, aumenta a perda de água pela evaporação e eleva de 20 a 50% o consumo de água. A cobertura de papel, segundo os pesquisadores reduz este aquecimento em relação ao plástico.

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores montaram experimentos comparativos cultivando, numa mesma área, canteiros de alface com e sem capina, com plástico preto e com o papel reciclado. Fizeram o mesmo com outras culturas e colocaram, em todos, sensores de temperatura no solo. A conclusão superou as expectativas. No verão, quando o calor já é intenso e agride as plantas, a variação de temperatura do solo abaixo do plástico preto chegou a ser até 8ºC maior que no canteiro que usou papel. Sem cobertura, a elevação da temperatura foi de até 3ºC em relação ao solo coberto com papel.

O experimento também revelou que a alface cultivada com papel reciclado tinha o dobro do peso do cultivado sem capina e 30% mais que o cultivado sobre o plástico. As plantas rendem mais, mas a eficiência no uso de água é ainda mais significativa. Para produzir um quilo de alface sem capina, o produtor gasta 43 litros de água. Com capina, 28 litros; com plástico, 21 litros e com papel reciclado, apenas 18 litros. “Isso mostra que, se o problema do produtor for disponibilidade de água, como é muito comum acontecer, ele poderá ampliar em quase 40% a área de produção gastando a mesma quantia de água, se usar o papel reciclado”, explica o professor Francisco. Em uma mesma área, o volume de água economizado durante um mês, ou seja, o ciclo que vai do plantio à colheita da alface, seria suficiente para abastecer aproximadamente 25 famílias com quatro pessoas, levando-se em conta os parâmetros ideais preconizados pela ONU. “Essa economia é ainda mais importante em regiões como o semiárido, onde a olericultura é forte e a disponibilidade de água é menor”, disse o Dr. Francisco Freitas.

Acesse a notícia completa na página da UFV.

Fonte: Léa Medeiros. Divulgação Institucional – UFV. Imagem: Divulgação, UFV.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account