Notícia

Pesquisa constata mudanças no comportamento do consumidor de hortaliças em tempos de pandemia

O acesso às hortaliças não difere ao que acontece com relação a outros produtos: quanto maior a renda, mais acessibilidade

Freepik

Fonte

Embrapa | Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Data

quarta-feira, 10 junho 2020 13:35

Áreas

Agricultura. Agronomia. Nutrição Coletividades

Pesquisa realizada entre os dias 15 a 25 de maio último pela Embrapa Hortaliças (Brasília-DF), em parceria com o Instituto Brasileiro de Horticultura (Ibrahort), avaliou o comportamento do consumidor de hortaliças, tendo em vista uma possível necessidade de readequação de alguns hábitos, frente às mudanças advindas com a pandemia da COVID-19.

Participaram da pesquisa – baseada no consumo familiar – 4.265 consumidores distribuídos em todo o território brasileiro, com os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Paraná apresentando maiores percentuais de representatividade.

Panorama de acesso às hortaliças

O primeiro item da pesquisa procurou avaliar o nível de acesso às hortaliças no período de isolamento social. No cômputo geral (72,5%), as hortaliças continuam acessíveis para compra, numa situação semelhante à que ocorria antes do isolamento social. Os percentuais, no entanto, variam conforme o nível salarial e a região do País.

“Esse é um resultado bem razoável, considerando-se as mudanças abruptas que impactaram o Brasil com o início do isolamento social: não tínhamos nenhuma capacidade de prever como a cadeia produtiva iria se adaptar a essa nova realidade”, opinou o analista Henrique Carvalho, responsável pela tabulação dos dados.

Mas a realidade impôs algumas diferenças acentuadas entre as regiões – conforme a pesquisa, apenas 48% dos respondentes no Norte e 55% no Nordeste continuam com o acesso estável, percentuais bem abaixo dos apresentados em outras regiões do Brasil: 79% no Sul, 77% no Sudeste e 71% no Centro-Oeste.

Ao segmentar por faixa salarial, a pesquisa mostrou que, de maneira geral, o acesso às hortaliças não difere ao que acontece com relação a outros produtos: quanto maior a renda, mais acessibilidade, que alcança 60% no público com rendimento de até dois salários mínimos; 70% no segmento que ganha de dois a cinco salários mínimos; 74% quando a renda varia entre seis a 10 salários mínimos; e 80% nos casos onde a renda ultrapassa 10 salários mínimos.

Mudanças nos hábitos de consumo de hortaliças

Além da disponibilidade nos pontos de venda, a pesquisa também investigou sobre prováveis mudanças nos hábitos de compra e de consumo das hortaliças mais consumidas no País – abóbora, alface, alho, batata, batata-doce, cebola, cebolinha, cenoura, coentro, pimentão, quiabo e tomate foram as hortaliças pesquisadas.

Conforme os resultados, entre 60 a 80% dos casos os hábitos de consumo foram mantidos. No saldo entre os que aumentaram e os que reduziram a compra foi verificada uma queda substancial na compra de algumas hortaliças, especialmente o quiabo (26%) e a alface (23%). “São vários os motivos que podem justificar essa redução, desde a queda na produção a problemas logísticos de transporte, preço, entre outros. A próxima fase da pesquisa, já programada, vai apurar as potenciais causas dessa redução”, destacou Henrique Carvalho.

Estabelecimentos

Os supermercados de bairro tornaram-se os pontos de venda mais importantes para a compra de hortaliças, segundo os mais de quatro mil respondentes da pesquisa, situação verificada também nas compras diretas ao produtor. Por outro lado, constatou-se a redução nas compras em feiras livres e hipermercados, quando há comparação com o período anterior ao isolamento social provocado pela pandemia da COVID-19.

“Esses e outros aspectos relacionados ao consumo de hortaliças vão ser contemplados nas próximas pesquisas, tendo em vista o comportamento das pessoas frente a algumas mudanças gradativas que vêm acontecendo na questão do isolamento social”, adiantou o analista.

Acesse a notícia completa na página da Embrapa.

Fonte: Anelise Macedo, Embrapa Hortaliças. Imagem: Freepik.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account