Notícia

Pesquisa aponta que cafeína durante a gravidez pode levar a alterações do cérebro em crianças

Pesquisadores analisaram imagens do cérebro de mais de 9.000 participantes de nove e dez anos de idade

Fonte

Universidade de Rochester

Data

segunda-feira, 15 fevereiro 2021 09:10

Áreas

Nutrição Clínica. Nutrição Funcional. Nutrição Materno Infantil

Uma nova pesquisa descobriu que a cafeína consumida durante a gravidez pode alterar estruturas cerebrais importantes que podem levar a problemas comportamentais mais tarde na vida. Pesquisadores do Instituto de Neurociências Del Monte do Centro Médico da Universidade de Rochester (URMC) analisaram milhares de imagens cerebrais de crianças de nove e dez anos e revelaram mudanças na estrutura cerebral em crianças que foram expostas à cafeína no útero.

“Esses são efeitos pequenos e não estão causando condições psiquiátricas devastadoras, mas estão causando problemas comportamentais mínimos, mas perceptíveis, que devem nos levar a considerar os efeitos de longo prazo da ingestão de cafeína durante a gravidez”, disse o Dr. John Foxe, diretor do Instituo de Neurociência Del Monte, e pesquisador principal do Adolescent Brain Cognitive Development ou ABCD Study na University of Rochester. “Suponho que o resultado deste estudo será uma recomendação de que qualquer cafeína durante a gravidez provavelmente não é uma ideia tão boa.”

Problemas comportamentais elevados, dificuldades de atenção e hiperatividade são sintomas que os pesquisadores observaram nessas crianças. “O que torna isso único é que temos uma via biológica que parece diferente quando você consome cafeína durante a gravidez”, disse Zachary Christensen, primeiro autor do artigo publicado na revista científica Neuropharmacology. “Estudos anteriores mostraram que as crianças têm um desempenho diferente em testes de QI, ou têm psicopatologias diferentes, mas isso também pode estar relacionado à demografia, então é difícil analisar isso até que você tenha algo como um biomarcador. Isso nos dá um lugar para iniciar pesquisas futuras para tentar aprender exatamente quando a mudança está ocorrendo no cérebro. ”

Os pesquisadores analisaram imagens do cérebro de mais de 9.000 participantes de nove e dez anos de idade no estudo ABCD. Eles encontraram mudanças claras em como os rastros de substância branca – que formam conexões entre as regiões do cérebro – foram organizados em crianças cujas mães relataram que consumiram cafeína durante a gravidez.

URMC é um dos 21 locais em todo o país que coletam dados para o estudo ABCD, o maior estudo de longo prazo do desenvolvimento do cérebro e da saúde infantil. O estudo é financiado pelo National Institutes of Health. O Dr. Ed Freedman,  é o principal pesquisador do estudo ABCD em Rochester e co-autor do estudo.

“É importante ressaltar que este é um estudo retrospectivo”, disse o Dr. Foxe. “Contamos com que as mães se lembrem da quantidade de cafeína que ingeriram enquanto estavam grávidas.”

Estudos anteriores descobriram que a cafeína pode ter um efeito negativo na gravidez. Também se sabe que o feto não possui a enzima necessária para decompor a cafeína quando ela atravessa a placenta. Este novo estudo revela que a cafeína também pode causar um impacto duradouro no neurodesenvolvimento.

Os pesquisadores ressaltam que não está claro se o impacto da cafeína no cérebro fetal varia de um trimestre para o outro, ou quando durante a gestação essas alterações estruturais ocorrem.

“As diretrizes clínicas atuais já sugerem limitar a ingestão de cafeína durante a gravidez – não mais do que duas xícaras normais de café por dia”, disse Christensen. “A longo prazo, esperamos desenvolver uma melhor orientação para as mães, mas, enquanto isso, elas devem consultar o médico sempre que houver dúvidas”.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Rochester (em inglês).

Fonte: Kelsie Smith Hayduk, Universidade de Rochester.  Imagem: Freepik.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account