Notícia

Descobrindo como dietas de baixa proteína podem reprogramar o metabolismo

Linha de pesquisa fornece uma maneira nova e intrigante de pensar sobre o que comemos

Pixabay

Fonte

Universidade de Wisconsin–Madison

Data

sábado, 12 junho 2021 10:20

Áreas

Nutrição Clínica. Nutrição Coletividades. Saúde Pública

Em 2014, o Dr. Dudley Lamming estava lendo um estudo da Austrália que analisou como camundongos responderam a dezenas de dietas controladas quando uma coisa chamou sua atenção: camundongos alimentados com menor quantidade de proteína eram mais saudáveis.

“Isso foi realmente interessante, porque vai contra muitas informações de saúde que pessoas obtêm”, disse o Dr. Lamming, pesquisador de metabolismo da Escola de Medicina e Saúde Pública da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos.

Desde então, o Dr. Lamming e alunos de pós-graduação do laboratório têm tentado responder à pergunta que estudo australiano levantou: por que dietas com baixa proteína tornariam os animais mais saudáveis?

Eles descobriram um padrão pouco conhecido, mas robusto, tanto em modelos animais quanto em humanos. Dietas ricas em três aminoácidos de cadeia ramificada, BCAAs, estão associadas a diabetes, obesidade e outras doenças metabólicas. Por outro lado, dietas com baixo teor de BCAAs podem combater essas doenças metabólicas e até mesmo estender a vida saudável dos roedores.

Ainda não está totalmente claro como os BCAAs controlam o metabolismo, embora restringi-los pareça encorajar metabolismos mais rápidos e um controle de açúcar no sangue mais saudável. E devido à imensa complexidade da pesquisa relacionada à dieta em humanos, os efeitos completos da restrição de BCAA em pessoas ainda não são conhecidos.

Mas a linha de pesquisa fornece uma maneira nova e intrigante de pensar sobre o que comemos. Porque os estudos estão mostrando que as dietas de baixa proteína reprogramam o metabolismo mesmo quando os animais comem as mesmas – ou mais – calorias.

“Há uma percepção crescente de que uma caloria não é apenas uma caloria, que uma caloria tem implicações além de apenas seu conteúdo calórico”, disse o Dr. Lamming. “O que nossa pesquisa está mostrando é que as calorias das proteínas não são iguais às outras calorias.”

Menos é mais

Evidências científicas sobre benefícios da restrição calórica e da restrição proteica remontam a quase um século, e o campo cresceu nos últimos anos. Em 2009, pesquisadores da UW – Madison mostraram que macacos rhesus com dieta de restrição calórica a longo prazo viveram mais. Estudos em outros animais demonstraram resultados semelhantes.

Dietas com restrição de proteínas têm recebido menos alarde. Mas há evidências de que muitos dos benefícios da restrição calórica podem ser alcançados apenas limitando a ingestão de proteínas. Esses benefícios persistem mesmo quando os animais comem o quanto desejam.

Em um par de estudos publicados no início deste ano, Dr. Lamming e seus colegas, incluindo os alunos de pós-graduação Nicole Richardson e Deyang Yu, focaram na restrição de aminoácidos de cadeia ramificada em particular. Os BCAAs constituem três dos nove aminoácidos essenciais, que os humanos não podem produzir por si próprios e devem consumir. Como o nome sugere, suas estruturas químicas contêm ramos semelhantes a árvores.

Em artigo publicado na revista científica Nature Aging, Richardson testou uma dieta em camundongos que continha apenas um terço da quantidade normal de BCAAs. Não era uma dieta com restrição calórica; os animais podiam comer o quanto quisessem.

Camundongos machos que seguiram a dieta durante toda vida viveram cerca de 30% mais tempo em média – cerca de oito meses a mais. Não está claro por que fêmeas de camundongos não parecem se beneficiar, embora outras pesquisas sugiram que fêmeas de camundongos podem precisar de uma dieta ligeiramente diferente para ver benefícios da redução do consumo de BCAAs.

As diferenças de sexo “foram muito surpreendentes para nós. Quase todas as pesquisas anteriores foram feitas em camundongos machos. Isso aponta para a importância de fazer esses estudos em ambos os sexos ,”disse o Dr. Lamming.

Camundongos machos, porém, mostraram atividade reduzida de uma via bioquímica conhecida como mTOR, que é ativada por BCAAs. Muitos experimentos mostraram que tratamentos que reduzem a atividade do mTOR tendem a melhorar a saúde metabólica e aumentar a longevidade.

Em outro artigo, publicado na revista científica Cell Metabolism, Yu e Richardson se aprofundaram ainda mais. Eles perguntaram se os três BCAAs individuais – leucina, isoleucina e valina – tinham efeitos únicos no corpo, ou se todos agiam de forma semelhante.

“O que descobrimos é que restrição à isoleucina tem, de longe, efeito mais potente”, disse o Dr. Lamming. Camundongos alimentados com dietas com baixo teor de isoleucina eram mais magros e demonstraram um metabolismo de açúcar no sangue mais saudável. As dietas com restrição de valina tiveram efeitos semelhantes, mas mais fracos. Reduzir os níveis de leucina não teve nenhum benefício e pode até ser prejudicial.

Para estudar como os três BCAAs afetaram a obesidade, os pesquisadores forneceram aos camundongos a chamada dieta ocidental, que é rica em gordura e açúcar. Depois de alguns meses em uma dieta ocidental, os ratos ficam obesos.

Quando o grupo do Dr. Lamming começou a alimentar esses camundongos obesos com uma dieta ocidental com baixo teor de isoleucina, os camundongos começaram a comer mais, mas mesmo assim perderam peso. A perda de peso foi causada principalmente por um metabolismo mais rápido, em que o corpo queima mais calorias na forma de calor durante o repouso.

Voltando-se para a saúde humana, o laboratório Lamming trabalhou com a professora de saúde populacional SMPH Dra. Kristen Malecki e seus colegas para analisar diários dietéticos e pesos dos participantes da Pesquisa de Saúde de Wisconsin, um estudo estadual de saúde pública apoiado pelo Programa de Parceria de Wisconsin.

Calculando quantos aminoácidos cada pessoa consumiu, eles descobriram que um aumento na ingestão de isoleucina estava associado a um índice de massa corporal mais alto, que eles previram com base em estudos com roedores.

Repensando a dieta

O Dr. Lamming reconhece que as descobertas da pesquisa são contra-intuitivas. Muitos conselhos dietéticos modernos recomendam a adição de proteínas, não limitando-as. A proteína promove uma sensação de saciedade, o que pode ajudar as pessoas a controlar suas calorias. E para atletas que estão construindo e reparando músculos, esses aminoácidos essenciais são, de fato, essenciais.

Mas, com a maioria da população dos EUA acima do peso e sedentária, o Dr. Lamming acha que há uma oportunidade de repensar as dietas. “Os humanos em geral não são tão bons em adesão a longo prazo a dietas com restrição calórica”, disse ele. No entanto, as evidências de modelos animais sugerem que as dietas de baixa proteína ajudam a eliminar gordura, mesmo com a ingestão calórica normal, reprogramando o metabolismo.

Muitas questões permanecem, especialmente em relação às dietas de baixa proteína em humanos. Os tipos de estudos de dieta controlada de longo prazo que o Dr. Lamming pode fazer em roedores são quase impossíveis de realizar em pessoas. Mas o laboratório Lamming e outros grupos estão trabalhando para testar dietas com baixo teor de BCAA em pequenos estudos em humanos.

Até mesmo desenvolver dieta realista com baixo teor de BCAA é difícil. Dietas veganas são tipicamente pobres em BCAAs e proteínas animais são ricas neles. Porém, mais pesquisas nutricionais precisam ser feitas, especialmente para criar uma dieta com baixo teor de isoleucina. E os americanos geralmente comem muito mais proteína do que precisam, então mudar esse hábito pode ser difícil.

“Aprendemos que a composição alimentar daquilo que você come é realmente importante para a longevidade. E acho que estamos no caminho certo para encontrar uma dieta que as pessoas possam seguir sem restringir as calorias, que ainda lhes permita viver uma vida longa e saudável”, disse o Dr. Lamming.

Acesse a notícia completa na página da Universidade de Wisconsin–Madison (em inglês).

Fonte: Eric Hamilton, Universidade de Wisconsin–Madison. Imagem: Pixabay.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account