Notícia

Pesquisa avalia o que a dieta dos pescadores pode revelar sobre estoques pesqueiros

Pesquisadoras identificaram um aumento da presença de espécies de peixes de menor porte na mesa das famílias de pescadores

Pixabay

Fonte

UFRN | Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Data

sexta-feira, 2 abril 2021 09:00

Áreas

Aquicultura. Zootecnia

Dados pesqueiros são de suma importância para o bom conhecimento dos rios e oceanos. Com essas informações é possível monitorar as populações de peixes e invertebrados habitantes dessas águas, controlar o seu manejo, planejar políticas de exploração sustentável da pesca e manter o equilíbrio ambiental, garantindo a alimentação humana e preservando a fauna.

Algo aparentemente primário na teoria, tais estatísticas, no entanto, são cada vez mais raras no Brasil e em outros países em desenvolvimento. E, diante desse fato, estudiosos da área ambiental precisam se valer, com determinada frequência, de métodos alternativos para obter dados que possam preencher algumas das lacunas de conhecimento deixadas pela ausência desses dados.

Assim nasceu um estudo realizado pelo Departamento de Ecologia da UFRN. Comparando informações coletadas em trabalhos que acompanharam a ingestão de peixe em vilas de pescadores nas regiões Sul e Sudeste do Brasil desde a década de 1980, as pesquisadoras identificaram um consumo cada vez menor de peixes e invertebrados predadores, ao passo que aumentou a presença de espécies de menor porte na mesa dessas famílias.

“A partir destes dados investigamos mudanças temporais na riqueza, na diversidade e na composição de espécies, tamanho e níveis tróficos dos peixes, consumo de espécies ameaçadas de extinção e diversidade funcional, ou seja, espécies com comportamento e habitat preferenciais diferentes”, explica a professora e pesquisadora Dra. Priscila Lopes do Departamento de Ecologia da UFRN,  primeira autora do estudo.

Os resultados foram publicados recentemente no periódico científico Ambio. Intitulado “O que as dietas dos pescadores revelam sobre os estoques de peixes” o artigo correlaciona os dados alimentares dessas vilas de pescadores com informações de estoques de peixes em diversos lugares do mundo, o que apontou para uma tendência convergente.

“Esses dados são preocupantes porque confirmam as tendências observadas ao redor do mundo para os dados de pesca. Tais tendências mostram que ao longo das décadas houve uma diminuição no nível trófico das capturas”, afirma a pesquisadora. Mas é necessário ainda compreender melhor o que é o nível trófico.

Ele representa o número de passos em uma cadeia alimentar, na qual os predadores de topo ocupam os níveis mais elevados. Peixes herbívoros, por exemplo, têm valores mais baixos e onívoros apresentam valores intermediários. Preferencialmente, humanos tendem a consumir peixes de nível trófico elevado, como garoupa e meca. Só que estes são menos abundantes que os de níveis tróficos mais baixos, como as sardinhas.

Nesse sentido, essas espécies de níveis tróficos mais elevados acabam tendo propensão maior a serem expostas a uma pesca acima da capacidade de renovação da população, levando a uma diminuição de sua frequência nas redes e nos pratos. “Assim, estão sujeitos mais rapidamente à sobre-explotação e isto é detectado por uma queda geral do nível trófico ao redor do mundo. Aparentemente, vemos a mesma tendência na dieta”, aponta a Dra. Priscila.

Outra mudança relevante diz respeito a espécies ameaçadas. De acordo com o estudo, o consumo delas sempre foi baixo, mas a maioria mudou com o tempo, sugerindo que muitas, especialmente raias e tubarões, podem ter se tornado raras nos pratos. “Não conseguimos concluir se as pessoas pararam de consumir estas espécies de antes por decisão própria, [o que é] pouco provável, ou se elas estão cada vez mais raras e outras ameaçadas passam a ser incluídas na dieta”, relata a professora.

Por isso é preciso interpretar com cautela esses dados. De acordo com a Dra. Priscila Lopes, não é possível afirmar que estas espécies estejam se extinguindo somente ao usar a dieta, da mesma forma que não dá para assegurar que o menor consumo de predadores ou o menor tamanho dos peixes seja porque os maiores estejam mais raros.

“Há fatores culturais associados. As pessoas podem estar vendendo os maiores ou simplesmente deixaram de consumir algumas espécies agora que o acesso ao mercado é facilitado. No entanto, estas tendências negativas confirmam aquelas observadas no mundo e acendem um sinal amarelo, quase vermelho”, alerta a pesquisadora.

Acesse o resumo do artigo científico (em inglês).

Acesse a notícia completa na página da UFRN.

Fonte: Marcos Neves Jr., UFRGN. Imagem: Pixabay.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2021 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account