Notícia

Obesidade e o risco de COVID-19 grave

Quanto maior o IMC, maior parece ser a ameaça de complicações do quadro da COVID-19

Freepik

Fonte

Abeso | Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica

Data

segunda-feira, 27 julho 2020 15:10

Áreas

Nutrição Clínica. Nutrição Coletividades. Saúde Pública

Muito se fala sobre quais seriam e quais deixariam de ser os fatores de risco para a COVID-19. Pois recentemente essa história ficou mais clara com a publicação de dados do estudo OpenSAFELY, realizado a partir de uma colaboração entre o DataLab da Universidade de Oxford e a London Schooll of Hygiene and Tropical Medicine, no Reino Unido. Os pesquisadores examinaram os registros médicos de 17.278.392 adultos e 10.926 mortes provocadas pela infecção pelo Sars-CoV 2, o novo coronavírus.

O objetivo era esclarecer quais entre inúmeros fatores acusados de agravarem o risco de COVID-19, muitas vezes sem tanta evidência, seriam realmente relevantes para apontar quem poderia ter quadros severos da doença e risco de desfechos fatais.

Os objetivos do trabalho

Segundo os autores, ao longo da realização do estudo OpenSAFELY, eles se preocuparam em encontrar respostas para algumas questões cruciais tanto para a determinação de protocolos clínicos quanto para o estabelecimento de políticas públicas para o enfrentamento da pandemia. São elas:

  1. No momento da admissão no hospital, como reconhecer quem tem maior probabilidade de precisar de ventilação mecânica ou morrer?
    Os cientistas partiram da premissa de que poderiam existir condições médicas pré-existentes capazes de aumentar o risco de complicações no curso da COVID-19 e que ainda não teriam sido identificadas.
  2. Ter informações para embasando algumas hipóteses envolvendo o tratamento: por exemplo, quais os possíveis benefícios de medicamentos que estão sendo usados off-label ou quais efeitos adversos de determinadas medicações em grupos específicos de pacientes, como os hipertensos ou os diabéticos?
  3. Algumas doenças podem não apenas deixar o paciente mais vulnerável à COVID-19, como elas próprias se agravarem perigosamente durante a convalescência dessa infecção respiratória. Portanto, uma boa questão é: daria para medir e posteriormente mitigar o impacto da COVID-19 em outras doenças, como o câncer?
  4. Qual seria o efeito de intervenções de políticas públicas, como estender o isolamento social para grupos específicos de pacientes? Isso ajudaria?

Em uma outra etapa

Depois de identificar, em uma primeira fase de análises — esta que foi publicada agora —, quais seriam as pessoas com maior probabilidade de quadros graves e de morte, os cientistas estão empenhados em descobrir que tratamentos poderiam aumentar ou diminuir esse risco.

Finalmente, conhecer os fatores de risco são um caminho para criar modelos que tentem predizer como a doença poderá continuar se espalhando.

Obesidade e diabetes

De acordo com o estudo, a idade é o maior fator de risco. Quem está acima dos 60 anos tem 2,8 vezes mais probabilidade de desenvolver quadros severos da infecção pelo novo coronavírus.

Em relação à obesidade, quanto maior o IMC, maior parece ser a ameaça de complicações do quadro de COVID-19. Quem tem um IMC entre 30 e 35 kg/m2 apresenta um risco 1,4 vez maior, enquanto indivíduos com IMC entre 35 e 40 kg/m2 têm 1,8 vez mais risco.

O risco relacionado a um IMC maior que 40 kg/m2 praticamente empata com o fator idade, porque o risco passa ser 2,6 vezes maior. Vale observar, porém, que a obesidade foi menos encontrada em pessoas mais velhas que foram incluídas nesse cálculo. Portanto, talvez se fizessem um coorte só dos pacientes mais jovens, o excesso de peso seria um fator de risco com um impacto ainda mais importante.

Acesse a notícia completa na página da Obeso.

Fonte: Abeso.  Imagem: Freepik.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account