Notícia

Empresa desenvolve método ultrarrápido para testar maciez da carne bovina

O equipamento SpecFIT utiliza ressonância magnética nuclear de baixo campo e não gera imagem

Pixabay

Fonte

Agência Fapesp

Data

quinta-feira, 30 julho 2020 14:40

Áreas

Biotecnologia. Ciência e Tecnologia de Alimentos . Zootecnia

Um projeto desenvolvido por pesquisadores da empresa FIT – Fine Instrument Technology, com apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), tem potencial para acabar com a insegurança de consumidores que pagam mais por uma peça de carne na expectativa, nem sempre confirmada, de que o produto tenha realmente um alto grau de maciez.

Desde 2005, a empresa que foi fundada na capital paulista, mas depois migrou para São Carlos, no interior de São Paulo, investe em produtos e aplicações que envolvem o uso da ressonância magnética nuclear.

Desta vez, a proposta é colocar no mercado em até um ano uma versão portátil de um equipamento de ressonância magnética nuclear (RMN) do tipo de superfície. A máquina será capaz de determinar a maciez da carne bovina de um modo não destrutivo, em cortes já embalados para comercialização.

Segundo a zootecnista Dra. Fabiane de Souza Costa, responsável pela pesquisa, dados sobre a textura de cortes de carne bovina são relevantes para toda a cadeia de produção.

“Essa informação poderá ser utilizada por todas as empresas ligadas ao setor de comercialização de carnes bovinas, como frigoríficos, supermercados, casas de carne, restaurantes e também no meio científico, em universidades e institutos de pesquisas”, diz aDra. Fabiane Costa ao Pesquisa para Inovação.

De acordo com a pesquisadora, a grande novidade do projeto é conseguir desenvolver e calibrar um software que consiga, de forma rápida e precisa, gerar uma informação confiável sobre o grau de maciez da carne.

“Pela técnica tradicional, além de ter que cortar a carne, são necessários pelo menos dois dias para que o resultado seja obtido. No método que estamos propondo, a carne é verificada na embalagem, pronta para ser comercializada. O resultado sai depois de um a dois minutos em que a medição é feita”, explica a Dra. Fabiane Costa.

Além do desenvolvimento do programa de computador ideal para conseguir medir a maciez dos cortes de carne sem a necessidade de equipamentos pesados e procedimentos demorados, outro avanço significativo que será obtido pela equipe de pesquisadores de São Carlos é conseguir embarcar tudo em um equipamento portátil, que poderá ser usado em qualquer lugar. Hoje, a avaliação da textura das peças de carne é feita por meio de um texturômetro específico.

Outra preocupação do grupo de pesquisa é como a informação será transmitida ao consumidor. “Não adianta colocar um dado técnico que fará pouco sentido para os leigos. Estamos pensando em fazer algo intuitivo, como os selos Procel [Programa Nacional de Energia Elétrica] ou as etiquetas com informações sobre o grau de intensidade e qualidade do café, colocadas nas embalagens dos produtos, para realmente ajudar os consumidores”, afirma a pesquisadora.

A ideia de desenvolver um aparelho portátil de ressonância magnética para testar a maciez dos cortes de carne de forma automática surgiu por causa da linha de atuação da FIT, que desde o início da pesquisa faz usos inovadores da ressonância magnética nuclear voltados não para a medicina, mas para o agronegócio.

Acesse a notícia completa na página da Agência Fapesp.

Fonte: Eduardo Geraque, Agência Fapesp.  Imagem: Pixabay.

Em suas publicações, o Canal Nutrição da Rede T4H tem o único objetivo de divulgação científica, tecnológica ou de informações comerciais para disseminar conhecimento. Nenhuma publicação do Canal Nutrição tem o objetivo de aconselhamento, diagnóstico, tratamento médico ou de substituição de qualquer profissional da área da saúde. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para a devida orientação, medicação ou tratamento, que seja compatível com suas necessidades específicas.

Os comentários constituem um espaço importante para a livre manifestação dos usuários, desde que  cadastrados no Canal Nutrição e que respeitem os Termos e Condições de Uso. Portanto, cada comentário é de responsabilidade exclusiva do usuário que o assina, não representando a opinião do Canal Nutrição, que pode retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não estejam de acordo com estas regras.

Leia também

2020 Canal Nutrição | Canal de Notícias, Conteúdos e Rede Profissional em Alimentos, Alimentação, Saúde e Tecnologias da Rede T4H.

Entre em Contato

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account